O embondeiro, Gigante Verde de Moçambique


A VERDE foi ao encontro de um dos Gigantes Verdes mais icónicos do Hemisfério Sul, o embondeiro.




Localizada entre o rio Rovuma e o rio Lúrio, a província de Cabo Delgado (nordeste de Moçambique) vive um clima de tensão e intranquilidade. Neste território, os majestosos e resistentes embondeiros, que tanto nos ensinam, crescem em vivências entre períodos conturbados.


Parecem árvores toscas e viradas do avesso. Talvez por isso, quando o Principezinho se cruzou com estas gigantes na sua jornada, implorasse por algo que o ajudasse a combater o crescimento das mesmas. Porém, acreditamos que um Principezinho mais crescido, veria o embondeiro e tudo o que ele representa com outros olhos.


Entre os galhos, mais ou menos curtos, mais ou menos retorcidos, vislumbramos, lá longe no horizonte, maciços montanhosos, monólitos, conhecidos por inselbergs, que são verdadeiras ilhas no céu, cujo topo se encontra totalmente isolado da restante paisagem. Pouco se sabe sobre estas estruturas, mas o seu potencial ecológico e taxonómico é reconhecido.



Embondeiros e Inselbergs são estruturas muito distintas, mas ambos são considerados importantes ecossistemas dos quais um número considerável, mas ainda desconhecido, de seres vivos dependem.

O paraíso existe, mas encontra-se em sobressalto. A resiliência do povo e dos embondeiros faz-nos pensar. Ambos constituem importantes lições para a VERDE e para os desafios de conservação onde a paz, o alimento e a educação não são uma garantia, mas onde devem continuar a ser uma inegável prioridade.

João Carvalho, Biólogo

41 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo