A Equipa

Somos uma equipa de biólogos e ecólogos ligados ao mar e à terra, mas também de economistas, juristas, designers e profissionais de comunicação, queremos valorizar o território e assegurar a sua preservação.

AnaJoão_edited.jpg

Ana João

Designer

A Ana João tem o super poder de transmitir a sensação de calma aos outros. Hoje em dia é designer, mas já foi uma pequena patinadora artística na infância. Para a Ana um dia feliz é um dia sem horários, com sol, natureza e comidas maravilhosas. Se fosse um elemento da natureza seria água pela calma que transmite. Tem como panca ecológica consumir o mais local possível  e fica muito irritada por ainda existir tanto plástico à volta de tudo. Considera que ser VERDE é ajudar o nosso planeta de mãos dadas com seres humanos incríveis.

Diego Alves_edited.jpg

Diego Alves

Biólogo, Fotógrafo

O Diego tem o superpoder de imortalizar momentos. É biólogo-fotógrafo em organizações e projetos aliados à conservação da Natureza. As causas do Diego são a conservação da Natureza e  a luta pelos direitos da comunidade LGBTQ+. Se fosse um elemento da natureza seria água pela sua capacidade de encontrar sempre um caminho e com a natureza aprende a ser mais empático, mais paciente e a aceitar os ciclos naturais em todas as dimensões da vida.  Tem como panca ecológica procurar o nome científico das espécies de árvores que vai encontrando. Considera que ser VERDE é cuidar daquilo que é de todos, para todos.

Inês Caridade_edited.jpg

Inês Caridade

Comunicadora

O superpoder da Inês é a expansão. Eterna aprendiz, tem-se dedicado à comunicação criativa e estratégica de projetos. Tem como causas o amor, a reinvenção feminista, a sustentabilidade e a preservação do legado ancestral. Com a natureza aprende a ciclicidade do todo, a viver e a deixar morrer para renascer. Se fosse um elemento natural seria a água que flui. É apaixonada por viagens e alquimia alimentar. Tem como “panca” ecológica meditar e uma alimentação biológica e local com ingredientes naturais ou feitos de raiz. Considera que ser ativista é ser livre, viver no presente e agir respeitando a liberdade do todo. Acredita que ser VERDE é sentir a natureza como um local sagrado que temos o privilégio de integrar.

João Gonçalo Soutinho_edited.jpg

João Gonçalo Soutinho

Biólogo

O superpoder do (para uns) João (para outros) Gonçalo, o nosso “tree boss” é fazer ponte entre ideias e pessoas que se cruzam na sua vida. Comprometeu-se desde muito cedo a seguir a premissa de fazer o que o faz feliz e lutar por isso. Com a natureza aprende o papel da cooperação e da co-evolução. Se fosse um elemento da natureza seria uma árvore, tem como “panca” ecológica... árvores e em 2121 imagina o mundo cheio de... árvores gigantes, plantadas em 2021. Considera que ser ativista é estar presente e consciente e que ser VERDE é ser ativo. Defende a bandeira do associativismo desde cedo. Considera-o a base do setor social que a sociedade pouco reconhece.

WhatsApp Image 2021-08-30 at 18_edited.jpg

José João

Naturalista

O superpoder do João é o "controlo dos elementos": capacidade de se adaptar a qualquer ambiente e encontrar as soluções necessárias para tornar qualquer feriado e fim de semana em momentos extraordinários. É formador e dirigente associativo juvenil convicto. Aprende com a natureza a respirar e reduzir o ritmo do dia-a-dia. Se fosse um elemento da natureza seria o fogo porque gosta de viver com intensidade. Para o João ser ativista é não esperar que os outros façam por ele. Acredita que o associativismo nos muda e que  muda vidas e que ser VERDE é uma energia que faz acontecer.

Ana Gil_edited.jpg

Ana Gil

Marketeer

Mais conhecida por Gil (Ana ficou como o nome da década passada). É um verdadeiro canivete suíço da comunicação digital criativa, não diz que não a uma boa análise de dados e não se deixa intimidar por um “backofficezinho”. É feliz quando apanha sol com os que ama. Se fosse um elemento da natureza seria uma rocha pela complexidade que revela quando a analisamos com detalhe. Com a natureza aprende a ser humilde. Tem como “panca” ecológica descobrir alternativas sustentáveis aos produtos que usa e evitar o desperdício. Como solução para salvar o planeta e inspirada nos ecossistemas que estudamos na VERDE lança um desafio ao Universo: “Não era fixe se vivêssemos todos em árvores?”

FranciscoPaupério_edited.jpg

Francisco Paupério

Biólogo

O Francisco tem o superpoder de ler notícias. Entrou na aventura de um PhD em Biologia Integrativa no Instituto Gulbenkian de Ciência e participa na comunidade LIDERA e n'os230. Quando era petiz foi campeão nacional de voleibol “pelo grande Leixões”. Aprende com a natureza que a vida humana é sobrevalorizada. Se fosse um elemento da natureza seria uma montanha porque são imponentes, calmas e estáticas. Para o Francisco ser VERDE é lutar localmente por um mundo melhor e trabalhar com amigos para defender o nosso lugar comum. 

JoanaCarvalhoSoto_edited.jpg

Joana Soto

Bióloga

O superpoder da Joana é encontrar coisas, espécies, objetos, tudo no geral! O CV é cheio de momentos mágicos como o estágio e mestrado no centro de recuperação de vida Selvagem - Brinzal em Madrid ou a idealização e implementação do projeto Artis Naturae - uma escola da natureza para crianças em risco, institucionalizadas em casas de acolhimento temporário. Se fosse um elemento da natureza seria um Gigante Verde (“óbvio!”) para absorver e observar tudo, as histórias, a evolução e adaptação da vida a novas realidades. Para a Joana ser VERDE é proteger todas as formas de vida na Terra envolvendo toda a comunidade.

João Rafael Brites_edited.jpg

João Rafael Brites

Economista

O João é um sol. O seu superpoder é dar energia e vitalidade. Atualmente é Diretor de Crescimento e Inovação na HowGood, uma empresa de Nova Iorque especializada em avaliação de impacto social e ambiental. O seu percurso profissional passou pela equipa de sustentabilidade da AB InBev no México, Estados Unidos e Brasil e pela co-fundadação dos nossos amigos Movimento Transformers. Aprendeu a dançar breakdance nas ruas de Palmela e tem como “panca” ecológica dançar à chuva. Um dia feliz é quando dança, está com amigos e desenvolve ações com impacto positivo no planeta. Com a natureza aprende que é parte dela. Se fosse um elemento da natureza seria terra, um solo escuro, fértil e antropogénico de origem pré-colombiana encontrado na região Amazónica que suporta a biodiversidade da região. Considera este um exemplo bonito sobre como os humanos podem potenciar e multiplicar vida. 

Raquel Gaião Silva.jpg

Raquel Gaião

Bióloga Marinha

A Raquel é uma “superstar”. Venceu o prémio GBIF Jovens Investigadores 2018, o Concurso Global Youth Video Competition 2019 e é Embaixadora All Atlantic Ocean Youth (AAOYA) 2020/2021. Tem como causas proteger o meio marinho e trabalhar na transição para uma economia azul mais sustentável. Aprende com a natureza que  os seres Humanos são passageiros e têm muito a aprender com as estruturas biológicas e as suas funções. Escolheu como “panca” ecológica as florestas marinhas e os seus serviços de ecossistema. Considera que ser ativista é debater, ouvir, assimilar e disseminar mensagens que levam à ação. Acredita que ser VERDE é celebrar a natureza e trabalhar para a proteger. Considera o associativismo importante para as pessoas terem uma participação ativa na sociedade e trabalharem em conjunto para resolver problemas sociais, económicos ou ambientais.

VanessaSilva_edited.jpg

Cláudia Silva

Bióloga

O superpoder da Cláudia é dar conselhos aos amigos. Luta diariamente por uma agricultura  mais sustentável no setor de conservação da natureza e educação ambiental (SCNEA) de Lousada. A natureza ensina-a que tudo tem o seu tempo e não dispensa três coisas sempre que mergulha nela: a cadela, a cadela… Ah! e água. Como medida ecológica urgente defende que não compremos “tralha” que não precisamos. Considera que ser ativista é ser altruísta e que ser VERDE é ser guerreiro ao serviço da Natureza e das pessoas.

1_1 - Francisco Santarém.jpg

Francisco Santarém

Biólogo

O superpoder do Francisco é criar momentos de encontro e colaboração entre equipas - se possível à mesa com uma bela refeição. É biólogo, apaixonado pela natureza. Tem como causas o combate às desigualdades sociais e foco na justiça climática. Até aos 10 anos dizia que quando fosse grande queria ser um cão. Com a natureza aprende a importância do pensamento sistémico e a necessidade de equilibrar as diferentes fontes de transformação. Tem como “panca” ecológica comer alimentos produzidos localmente, se possível, de produção própria. Acredita que ser VERDE é ser consciente e pensar muito à frente! Vê no associativismo, pelo qual vestiu a camisola nos últimos 6 anos,  uma escola de consciência.

João Carvalho_edited.jpg

João Carvalho

Biólogo

O João tem como superpoder a adaptabilidade. É biólogo. Quando era pequenino adorava apanhar ratos, cobras e aranhas e soltá-los em situações inesperadas. Com a natureza aprende que as urgências são relativas. Se fosse um elemento da natureza seria o ar e pergunta: “Haverá coisa melhor do que nos sentirmos leves e termos a capacidade de estar em todo o lado?” Considera que ser VERDE é  ser participativo, equilibrado e ter os olhos na Ciência para dar resposta aos desafios atuais. Acredita que a “união faz a força” e, por isso, no associativismo.

José.jpeg

José Bernardes

Jurista

As causas do José são a justiça social, os direitos humanos, a proteção da natureza, a felicidade, e o desporto. Quando vai para o meio da natureza não podem faltar binóculos, canivete e tenda. Considera que o maior ensinamento que a natureza lhe dá é a humildade. Acredita que o associativismo nos ajuda a desenvolver competências essenciais para a relação com os outros, assim como, um espírito empreendedor, crítico e solidário. Acima de tudo, um sentido de comunidade. Para o “Zé” ser VERDE é  ser inovador, criador de oportunidades e justiça. 

DSC_0505_edited.jpg

Nuno Pinto

Biólogo

O Nuno tem o super poder de ser associado, tanto em entidades que promovem a cultura e educação musical, o ambientalismo e a conservação da natureza. Hoje em dia continua a sua veia de biólogo de campo, estando no exterior sempre que possível. Para a Nuno um dia feliz é junto dos seus, com um bom petisco à frente.  Tem como panca ecológica a vontade de ajudar os próximos, trazendo as suas skills para os projetos que acredita terem futuro. Considera que ser VERDE é ter a possibilidade de dar um novo passo em prol da conservação da natureza em Portugal.